Resenha - Amanhã, Quando a Guerra Começou

“Registrar no papel o que fizemos é nossa maneira de dizermos a nós mesmo que temos um significado, que nos importamos. Que as coisas que realizamos fizeram a diferença. Não ser se uma diferença grande, mas fizemos. Registrar tudo pode ajudara sermos lembrados. E isto tem muita importância para nós. Nenhum de nós que acabar como um pilha de ossos brancos esquecidos, desconhecidos e, pior de tudo, sem ninguém saber dos riscos que corremos.”
Quando Ellie e sua amiga Corrie decidem se juntar a um grupo de amigos e irem acampar durante o feriado de Natal elas não poderiam imaginar que ao voltar para suas casas tudo estaria diferente. Não imaginavam que o mundo que elas conheciam ao partir simplesmente iria desaparecer.

Depois de passar o feriado no “Inferno”, uma garganta de rochas de difícil acesso e praticamente isolado do resto do mundo, Ellie se vê em um cenário devastador. Ao chegar a sua casa encontra tudo vazio e silencioso, seus cachorros ainda estão presos a suas coleiras, porém mortos, de sede e fome. E o mesmo cenário se repete na casa de alguns de seus outros amigos. E é ai que eles começam a perceber o que está acontecendo realmente. Sua cidade foi invadida por um inimigo desconhecido. Seu país está em guerra.
“A gente acreditava que vivia em segurança. Isso é uma enorme fantasia. Agora sabemos que não estamos seguras e, como você mesmo disse, nunca mais vamos nos sentir seguras de novo. Isso significa dizer adeus à inocência. Foi muito bom conviver com ela, mas agora ela não existe mais.”
Amanhã, Quando a Guerra Começou é o primeiro de uma série de sete livros, todos já lançados no Brasil pela Editora Fundamento. Comecei a leitura sem grandes expectativas, sem saber ao certo o que esperar, e fui pego de surpresa ao encontrar uma estória que me deixou preso da primeira a última página.

O livro é narrado em primeira pessoa por Ellie, que é encarregada pelo grupo a registrar em papel tudo o que eles fizeram e passaram. O interessante é que durante a narração dos fatos a própria personagens também apresenta alguns de seus conflitos internos, o que nos faz criar um elo maior, não só com ela que narra, mas com todos os outros personagens muito rapidamente.

Sem dúvida o que mais me impressionou durante toda leitura foi a construção de cada um dos personagens principais da obra. Foi interessante observar o modo como cada um reagiu à situação pela qual estavam passando, e o mais impressionante ainda é como o autor conseguiu transpor os sentimentos de cada um desses personagens de maneira tão crível para o papel.

Como não poderia deixar de ser o romance também está presente no livro, mas de maneira bem trabalhada e pontual. Esse não é o foco do livro, apenas está presente de uma maneira natural e bem colocada no contexto geral da obra.

A Editora Fundamento fez um ótimo trabalho na diagramação do livro, muito rica em detalhes, que por um lado soma pontos pela beleza, mas que por outra dá a impressão de que o livro é mais infantil do que realmente é. Quanto a capa, acho belíssima, não só desse primeiro volume, como de todos os outros.

Então, para quem gosta de livros cheios de ação, explosões, fugas e muitos momentos de pura tensão a série Amanhã é exatamente o que você procura. Será, sem dúvida algumas, uma leitura rápida, pois você não irá conseguir desgrudar do livro e, após terminar, ficará louco para ler os outros livros da série e descobrir o que irá acontecer com Ellie, Corrie, Lee, Homer, Fiona, Kevin e Robyn.  

0 comentários:

Postar um comentário