Resenha - Destino

“Continuo de pé olhando a tela e, enquanto passam os segundos, tudo o que posso fazer é permanecer imóvel, tudo o que posso fazer é continuar a sorrir. Começo a ouvir cochichos. Com o canto dos olhos, vejo minha mãe mexer com as mãos como se fosse novamente pegar a minha, mas então ela recua.
Uma garota de vestido verde aguarda, de pé, o coração batendo. Eu.
A tela está escura e permanece escura.
Isso só pode querer dizer uma coisa.”

Imagine um futuro em que tudo é controlado pela Sociedade. O que você come, onde você mora, onde você trabalha, com quem você se casa, quando você morre e até mesmo o que você pensa. É isso que encontramos ao embarcar na leitura de Destino, da autora Ally Condie.

Em meio a isso que conhecemos Cassia, uma garota de 17 anos que está prestes a conhecer seu par em um evento que a Sociedade chama de o Banquete do Par. Então eis que é anunciado que o par perfeito para Cassia é seu melhor amigo, Xander, a quem a própria garota já acreditava ser perfeito para si.

Porém, ao ligar o cartão entregue pela Sociedade que contém todas as informações sobre Xander, uma surpresa. Não é o rosto dele que aparece na tela, mas sim de Ky, o vizinho de Cassia. Após alguns instantes o rosto de Ky some e o de Xander aparece, mas esse pequeno deslize da Sociedade foi o suficiente para deixar Cassia confusa. Afinal, a Sociedade nunca erra.

Destino possui uma leitura muito rápida e fluida, o livro envolve o leitor do início ao fim, mesmo sem possuir grandes sequências de ação. Desde Jogos Vorazes passei a apreciar bastante a leitura de obras futuristas e Destino não deixou a desejar em nada quanto a isso.

É interessante notar o amadurecimento de Cassia durante a obra. Ao começarmos a ler vemos uma garotinha de 17 anos que acreditava completamente na Sociedade e em tudo que ela ditava. Mas com o passar das páginas vemos dúvidas nascerem e crescerem. Vemos Cassia desafiando a Sociedade, coisa que ela nunca faria antes, e é isso que faz com que a obra cresça.

Porém, agora vejo a necessidade de encontrarmos um livro um pouco mais político no segundo volume da série. Uma das coisas que senti falta em Destino foram maiores explicações do funcionamento da Sociedade e de como ela se formou, mas aqui observamos durante grande parte da obra o dia a dia das pessoas comuns, mas só isso não irá bastar no próximo volume. Temos que conhecer a Sociedade mais a fundo, para que a série continue a evoluir de maneira positiva como já vemos acontecer nesse primeiro livro.

0 comentários:

Postar um comentário