Balanço Literário: Fevereiro


Hoje estou estreando uma nova coluna aqui no blog. Sempre, no primeiro dia de cada mês, farei esse Balanço Literário, falando um pouco sobre todos os livros que li durante o mês.

Em fevereiro foram cinco. Poucos devido ao meu “clube do livro” com O Festim dos Corvos e o início do meu curso de férias de Calculo I. Mas posso adiantar que é bem provável que agora em março eu leia bem menos, já que minhas aulas começam na próxima semana e voltei a trabalhar ontem. Então tempo será um problema a partir de agora. Mas darei um jeito.

E vou deixar de conversa fiada e ir direto ao que interessa. Confiram meu Balanço Literário de fevereiro.

“Quando os lábios dela tocaram os meus, soube que poderia viver cem anos e visitar o mundo todo e nada se compararia ao momento único em que beijei a mulher dos meus sonhos e soube que meu amor duraria para sempre.”
Comecei o mês lendo meu segundo livro do autor Nicholas Sparks, Querido John. E como vocês puderam ver na resenha, amei o livro. Mas tenho de admitir, depois de escutar tantos comentários positivos e de como o livro era emocionante, me decepcionei um pouco. Não que seja ruim, pois não é, muito pelo contrário, o livro é incrível. Esse é apenas o típico caso de expectativa alta demais. 

“Agora só resta você, filho. Você é a última chance. A última esperança. Alguém tem que enfrentar as trevas. E você é o único que pode”.
Procurando uma leitura leve e rápida comecei a ler O Aprendiz, primeiro livro da série As Aventuras do Caça Feitiço. E imagino ter achado o que procurava. Li o livro de uma vez só e posso dizer que me diverti enquanto o lia. O livro, apesar de infantil, é bastante gostoso de se ler, tem ótimas sacadas e momentos muito bons. Claro, não é um livro que fica marcado como um do melhores que já li, mas gostei de ter livro. Pretendo, em breve, ler os outros livros da série.

Eu preciso é de sangue, não de água. O sangue de Tyrion, o sangue do valonqar. Os archotes rodopiaram à sua volta. Cersei fechou os olhos e viu o anão sorrindo-lhe. Não, pensou, não, já tinha quase me visto livre de você. Mas os dedos de Tyrion tinham se fechado em torno do seu pescoço, e sentia-os começar a apertar.
Aguardava a chegada O Festim dos Corvos ansiosamente desde dezembro, quando o comprei, ainda na pré-venda. E assim que chegou comecei a ler, mas com uma pequena moderação: Só podia ler trinta páginas por dia. Inicialmente achei que isso seria um problema, pois nos outros três livros da série havia lido muito mais de trinta páginas por dia. Mas acabou que não, O Festim dos Corvos é bem mais lento que seus antecessores. Ocorre uma mudança nos estilo narrativo (da qual não iria falar sobre), que facilita na hora do leitor “largar o livro”.

Só em seus momentos finais que o livro se torna realmente ágil, e seu final é, de certa forma, incompleto. Então nem preciso dizer que já estou extremamente ansioso para o lançamento de "A Dança dos Dragões", quinto livro da saga, quem tem previsão de lançamento para setembro, aqui no Brasil, pala Editora Leya.


“Minha Amada Eterna,                Esperei-te, desejei-te, sonhei contigo milhares de noites. Imaginei que nunca mais saberia de ti, antes de Deus dar-me o privilégio de estar para sempre ao seu lado. Não fazes ideia a forma avassaladora que, as tuas breve palavras fizeram em meu peito renascer, este sentimento bom, puro, verdadeiro.”
Posso dizer que minha experiência com Ainda Não Te Disse Nada foi extremamente prazerosa. É um livro simples, que prende o leitor por sua beleza e emoção. Mas claro, possui alguns problemas. Como citei na resenha o autor demorou um pouco até achar o tom exato para o livro, podemos observar muitas piadas forçadas e palavrões que parecem fora do lugar. Mas ao embarcar no núcleo principal da obra Mauricio consegue encontrar o tom exato para o livro e nos presentear com uma bela estória. 


Sam batucava com as mãos no volante. Patrick colocou o braço para fora do carro e fazia ondas no ar. E eu fiquei sentado entre os dois. Depois que a música terminou, eu disse uma coisa.
“Eu me sinto infinito.”
Não falarei muito sobre As Vantagens de ser Invisível, a resenha dele está programada para próxima semana. Mas uma coisa eu posso adiantar para vocês: Esse é hoje meu livro favorito. Li ele no último sábado, não consegui terminar de ler até terminá-lo, e até agora não consegui iniciar outro livro, pois não consigo tirá-lo da cabeça. O livro passa todos os sentimentos que um livro é capaz de passar e, sem dúvida alguma, me marcou para sempre. Mas o principal, me fez sentir-me infinito

0 comentários:

Postar um comentário